Porque a Madre Teresa não foi uma Santa
Janeiro 26, 2024
SUPPORT
Copy Link
https://endtimes.video/pt/porque-a-madre-teresa-nao-foi-uma-santa/
Copy Embed
igrejacatolica.org - Canal em portugues

| |

Irmão Pedro Dimond, O.S.B.

No dia 4 de setembro de 2016, o Antipapa Francisco «canonizou» solenemente a Madre Teresa de Calcutá. Embora isto seja chocante para as pessoas que não estão informadas sobre a doutrina católica e a situação atual, é um fato que Madre Teresa não era uma verdadeira católica. Na verdade, era uma notória defensora da heresia condenada do indiferentismo religioso.

As crenças de Madre Teresa sobre Deus, as religiões não-católicas e a salvação eram contrárias ao ensinamento católico, como veremos. De fato, eram completamente incompatíveis com a crença em Jesus Cristo e a comunhão da fé católica.

Aqui estão alguns fatos sobre aquilo em que Madre Teresa acreditava e praticava. Muitos deles são do seu livro, A Simple Path. O livro contém as suas palavras e foi aprovado por ela. Na página 31, Madre Teresa afirma:

Madre Teresa, A Simple Path, Ballantine Books, 1995, p. 31: «Sempre disse que devíamos ajudar um hindu a tornar-se um melhor hindu, um muçulmano a tornar-se um melhor muçulmano, um católico a tornar-se um melhor católico.»

Isto é apostasia da fé católica. Com base nas Escrituras e na Tradição apostólica, a Igreja Católica ensina que as religiões não-cristãs são do Demônio e que aqueles que seguem essas falsas religiões não serão salvos.

Salmo 95:5 - «...todos os deuses das gentes são demônios..

1 Crônicas 16:26 - «… pois todos os deuses das gentes são ídolos. O Senhor (é o que) fez os céus.»

1 Coríntios 10:20 - «… as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que vós tenhais sociedade com os demônios.»

As pessoas precisam de se converter à verdadeira fé de Cristo - a fé católica - para serem salvas. Madre Teresa não defendia que as pessoas devem aceitar Jesus Cristo e a fé católica para alcançarem a bondade, a santificação e a salvação. 

Não, ela encorajava as pessoas a permanecerem membros de falsas religiões demoníacas, incluindo religiões pagãs que adoram ídolos e falsos deuses.  Isso é uma rejeição de Jesus Cristo e do Evangelho. É, de fato, totalmente demoníaco. Eis o que a Igreja Católica ensina.

Papa Paulo III, Bula Sublimis Deus, 29 de maio de 1537:
«O homem, de acordo com o testemunho das Sagradas Escrituras, foi criado para gozar a felicidade da vida eterna, que ninguém pode obter senão por meio da fé em Nosso Senhor Jesus Cristo... “Ide pois e ensinai a todas as gentes." Ele disse todas, sem exceção, pois todas são capazes de ser instruídas na fé... Fazendo o uso da Nossa autoridade apostólica, determinamos e declaramos pelas presentes letras… que os ditos índios, e todas as gentes devem ser convertidas à fé de Jesus Cristo através da pregação da palavra de Deus e pelo exemplo de uma santa e virtuosa vida...»

São Policarpo, 135 d. C., Carta aos Filipenses:
«Todo aquele que não confessa que Jesus Cristo veio na carne é um anticristo; quem não confessa o testemunho da cruz, é do demônio; e todo aquele que perverte a palavra do Senhor a seu bel-prazer, e diz que não há ressurreição nem juízo, esse é o primogênito de Satanás.»

Concílio de Trento, Sess. 6, Cap. 3 sobre a Justificação:
«… assim, se não renascessem em Cristo não poderiam jamais ser justificados...»

Concílio de Trento, Sess. 5, sobre o pecado original:
«… a nossa fé católica, sem a qual “é impossível agradar a Deus” [Heb. 11:6]...»

Papa Pio IX, Concílio Vaticano I, Sessão 2, Profissão de Fé, 1870:
«Esta verdadeira fé católica, fora da qual ninguém pode ser salvo, que agora voluntariamente professo e verdadeiramente mantenho...»

Papa Inocêncio III, Quarto Concílio de Latrão, 1215:
«Existe, de fato, uma única Igreja universal dos fiéis, fora da qual absolutamente ninguém se salva…»
LATIM: «Una vero est fidelium universalis Ecclesia, extra quam nullus omnino salvatur…»

Papa Eugênio IV, Concílio de Florença, Credo Atanasiano, 1439:
«Mas é necessário para a salvação eterna crer fielmente também na encarnação de nosso Senhor Jesus Cristo…»

Papa Pio VIII, Traditi humilitati (#4), 24 de maio de 1829:
«Contra estes experimentados sofistas, o povo deve ser ensinado que a profissão de fé católica é a única verdadeira, como proclama o apóstolo: “um Senhor, uma fé, um batismo...” E de fato, para além do nome de Jesus, nenhum outro nome foi dado aos homens pelo qual devamos ser salvos; o que crer, será salvo; o que não crer, será condenado.»

Papa Gregório XVI, Mirari Vos (# 13), 15 de agosto de 1832:
«Admoesta-nos o Apóstolo que há um só Deus, uma só fé e um só batismo (Ef. 4:5); que temam pois aqueles que pensam que o porto da salvação está aberto a pessoas de quaisquer religiões. Deveriam de considerar a sentença do próprio Jesus Cristo, que eles estão contra Cristo, já que não estão com Cristo (Lc 11:23), e os que não colhem com Cristo dispersam miseramente, pelo que perecerão infalivelmente os que não tiverem a fé católica e não a guardarem íntegra e sem mancha (Credo Atanasiano).»

 O Papa Gregório XVI, citando o Papa São Gregório Magno, também declarou a respeito do dogma Fora da Igreja Não Há Salvação: «“A santa Igreja universal ensina que não é possível cultuar a Deus verdadeiramente senão nela, e afirma que todos os que estão fora dela não serão salvos.” Além disso, há atos solenes da Igreja em que o mesmo dogma foi proclamado». (Papa Gregório XVI, Summo Iugiter Studio, 27 de Maio de 1832)

Papa Eugênio IV, Concílio de Florença, «Cantate Domino», 1441, ex cathedra:
«A Santa Igreja Romana crê firmemente, professa e prega que nenhum dos que estão fora da Igreja Católica, não só pagãos como também judeus, heréticos e cismáticos, poderá participar na vida eterna; mas que irão para o fogo eterno que foi preparado para o demônio e os seus anjos, a não ser que a Ela se unam antes de morrer… e que ninguém, por mais esmolas que dê, ainda que derrame seu sangue pelo Nome de Cristo, pode salvar-se se não permanecer no seio e na unidade da Igreja Católica.»

Este é o ensinamento da Igreja Católica, que Madre Teresa rejeitou totalmente.  Eis mais algumas citações em que Madre Teresa exprime a sua heresia e apostasia. Numa entrevista à revista Time de 1989, Madre Teresa afirmou: «Eu amo todas as religiões». Isso é apostasia total e totalmente demoníaco. É dizer que você ama a mentira, o pecado, a rejeição de Cristo e a idolatria, entre outras coisas.

Também é digno de nota que esta declaração demoníaca de Madre Teresa, de que ama todas as religiões, veio em resposta a uma pergunta especificamente sobre o hinduísmo. O hinduísmo é uma falsa religião idólatra e pagã, e os seus muitos falsos deuses são, como já vimos, demônios. Ela conduz à condenação. Madre Teresa amava-a e, portanto, amava o culto dos demônios. De fato, referia-se frequentemente a religião pagã do Hinduísmo de forma positiva, como veremos.

É interessante considerar o que o Papa Leão XIII disse específicamente sobre o hinduísmo. No contexto de mencionar como o Apóstolo S. Tomé e o grande missionário jesuíta S. Francisco Xavier converteram multidões da falsa religião demoníaca do Hinduísmo, o Papa Leão XIII referiu-se aos «mitos e vis superstições dos brâmanes», e referiu-se aos seguidores do Hinduísmo como «aprisionados miseravelmente nas trevas da superstição». Portanto, Madre Teresa amava a idolatria, o paganismo, a adoração dos demônios e as vis superstições que mantêm as pessoas aprisionadas nas trevas, bem como amava as mentiras e as abominações do Islão e de todas as outras falsas religiões.

Papa Leão XIII, Ad Extremas (#1), 24 de junho de 1893:
«Nossos pensamentos se dirigem, em primeiro lugar, ao bem-aventurado Apóstolo Tomás, que é, com razão, chamado o fundador da pregação do Evangelho aos hindus. Depois temos São Francisco Xavier… Através de sua perseverança extraordinária, converteu centenas de milhares de hindus dos mitos e vis superstições dos brâmanes para a verdadeira religião… não obstante, nos vastos cantos da terra, muitos estão todavia privados da verdade, aprisionados miseravelmente nas trevas da superstição.»

A declaração oficial divulgada pelo postulador da sua causa admite também que Madre Teresa «respeitava todas as pessoas, incluindo os ateus ou agnósticos, e respeitava a fé que tinham ou mesmo que não tivessem».[1]Isso é uma heresia, como veremos. A declaração cita também um hindu que conheceu Madre Teresa durante 23 anos. O hindu diz que Madre Teresa nunca tentou converter ninguém ao catolicismo/cristianismo e que promoveu o seguinte:

«Eu converto-o para ser um melhor hindu, ou um melhor muçulmano, ou um melhor protestante, ou um melhor católico, ou um melhor parsee, ou um melhor sikh, ou um melhor budista.» [2]

Como já mostramos, isso é heresia e apostasia. É diabólico. Para expressar ainda mais como ela não tentava converter ninguém, mas queria que os pagãos fossem pagãos, etc., Madre Teresa disse «tentamos não pregar religião».

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 31:
 «O irmão Vinod, que administra o Gandhiji Prem Nivas, o nosso centro para pacientes leprosos em Titagarh, Calcutá, compreende como tentamos não pregar a religião...» [3]

Papa Leão XIII, Satis Cognitum (nº 13), 29 de junho de 1896:
«… você não será considerado como detentor da Fé Católica se você não defender que a Fé de Roma deve ser mantida.»

Madre Teresa não acreditava em Jesus Cristo e na fé de Roma. Ela não era detentora da verdadeira fé católica - ponto final. É também necessário salientar que as Constituições das «Missionárias da Caridade», a Ordem de Madre Teresa, declaram:

«Não imporemos a nossa fé católica a ninguém, mas respeitamos profundamente todas as religiões...» [4]

O respeito por todas as religiões ou falsas religiões é um princípio da Maçonaria e uma heresia condenada. Como ensinou o Papa Leão XIII:

Papa Leão XIII, Custodi di Quella Fede (#15), 8 de dezembro de 1892:
«Toda familiaridade deve ser evitada, não apenas com aqueles ímpios libertinos que promovem abertamente o caráter da seita [maçônica], mas também com aqueles que se escondem sob a máscara da tolerância universal, o respeito por todas as religiões..

Na página 122 de Um Caminho Simples, Madre Teresa diz o seguinte sobre aqueles que vêm ter com ela:

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 122:
«As irmãs procuram informar-se de que religião pertencem - para que, quando morrerem, possam ter o enterro adequado. Os católicos vão para o cemitério, os muçulmanos para o local de enterro muçulmano e os hindus para o ghat, que fica muito perto de nós. A maioria das pessoas que nos procuram são hindus, por isso, se não soubermos a sua religião, normalmente damos-lhe um enterro hindu».

É um pecado mortal contra a fé e um ato de apostasia dar a alguém um enterro hindu ou muçulmano. As irmãs heréticas da ordem da Madre Teresa não descobrem a religião das pessoas para tentar convertê-las a Cristo e à Sua verdadeira fé.  Não, fazem-no para lhes dar um enterro de acordo com a falsa religião em que acreditavam. Isso é apostasia. A Madre Teresa e os membros da sua ordem até ajudavam os hindus e os muçulmanos que ainda estavam vivos, mas a morrer, a receberem ritos de acordo com a sua falsa religião. Isso incluía fornecer água do rio Ganges para os lábios dos hindus moribundos, e leituras do Corão para os muçulmanos moribundos. Trata-se de uma rejeição total de Cristo e de um ato totalmente diabólico. Tais atos também confirmam maliciosamente os pagãos e infiéis no seu caminho para a condenação.  

De fato, no hinduísmo, o rio Ganges é considerado uma personificação divina da «deusa» hindu Ganga.  Os hindus veneram o rio Ganges. Portanto, ao fornecer aos hindus as águas que eles adoram para os seus ritos religiosos na morte, Madre Teresa e as suas irmãs apóstatas participaram diretamente na idolatria e na adoração de um falso deus pagão.

Kathryn Spink, Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada, HarperCollins, 2011, pp. 54-55:
«Houve ocasiões em que Madre Teresa transportava pessoas em extrema necessidade num carrinho de mão de um operário... aos que não podiam ser tratados, foi dada a oportunidade de morrer com dignidade, tendo recebido os rituais da sua fé: para os hindus, água do Ganges nos lábios; para os muçulmanos, leituras do Corão; para os raros cristãos, a extrema-unção.»

Na página 31 de Um Caminho Simples, Madre Teresa cita um membro da sua ordem para explicar como rezam com membros de diferentes religiões. A passagem também explica como fazem as leituras.  Por vezes, as leituras são da Bíblia e outras vezes são de «outras escrituras».

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 31:
«Temos entre nós 475 almas - 30 famílias são católicas e as restantes são todas hindus, muçulmanas, sikhs - todas as religiões diferentes. Mas todos vêm às nossas orações. Às sete horas, todos se reúnem durante trinta minutos. E temos leituras - algumas bíblicas e outras escrituras - qualquer livro pode ser lido. Por vezes, um doente faz um pequeno discurso. Nunca encontrei qualquer problema com o fato de pessoas de diferentes religiões rezarem juntas.»

Isso é sincretismo e um pecado mortal. É explicitamente condenado no ensino católico participar em cultos ou assembleias não-católicas. 

Papa Pio XI, Mortalium Animos (nº 10), 6 de janeiro de 1928:
«... esta Sé Apostólica nunca permitiu que aos que lhe são sujeitos participar de reuniões de não-católicos...»

Papa Pio XI, Mortalium Animos (# 2), 6 de janeiro de 1928, condenando reuniões inter-religiosas como os eventos de Assis: «Por isto costumam realizar por si mesmos convenções, reuniões e pregações, com não medíocre frequência de ouvintes e para elas convocam, para debates, promiscuamente, a todos: pagãos de todas as espécies, fiéis de Cristo… Sem dúvida, estes esforços não podem, de nenhum modo, ser aprovados pelos católicos, pois eles se fundamentam na falsa opinião dos que julgam que quaisquer religiões são, mais ou menos, boas e louváveis… Erram e estão enganados, portanto, os que possuem esta opinião: pervertendo o conceito da verdadeira religião, eles repudiam-na… Daí segue-se claramente que quem concorda com os que pensam e empreendem tais coisas afasta-se inteiramente da religião divinamente revelada

É claro que isto é especialmente verdade para as pessoas que adoram os falsos deuses do paganismo. Madre Teresa não só apoiava a oração em conjunto com esses idólatras e infiéis, como permitia que eles pregassem e lessem as suas falsas escrituras.

Na página 43, Madre Teresa disse:

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 43:
«Há tantas religiões e cada uma tem as suas formas diferentes de seguir Deus.»

Não, o único caminho para Deus é através de Jesus Cristo e da Igreja que Ele estabeleceu, a Igreja Católica.

Na página 19, ela diz:

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 19:
«Seja qual for a nossa religião, temos de rezar juntos.»

Com isto, pretende-se, mais uma vez, encorajar as pessoas de religiões pagãs a rezar aos seus falsos deuses.

Na página 93, Madre Teresa diz o seguinte sobre os homossexuais:

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 93:
«As pessoas perguntam-me muitas vezes o que penso sobre os homossexuais, por exemplo, e eu respondo sempre que não julgo as pessoas.»

Isto é um apoio ao pecado mortal e outra expressão da sua apostasia. Demonstra também que, ao defender que as pessoas podem seguir Deus e ser salvas em falsas religiões, Madre Teresa defende necessariamente que as pessoas podem ser salvas cometendo todo o tipo de pecados mortais na área da moral, pois muitas das religiões que ela apoiava como caminhos para Deus permitem males como a contracepção, vários pecados sexuais, etc.  

1 Coríntios 6:9-11 - «Porventura não sabeis q os injustos não possuirão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os impudicos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os que se dão à embriaguez, nem os maldizentes, nem os salteadores possuirão o reino de Deus. E tais éreis alguns de vós, mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justifcados, em nome de Nosso Senhor Jesus Cristo e mediante o Espírito do nosso Deus.»

1 Coríntios 1:2 - «… à igreja de Deus, que está em Corinto, aos santificados em Jesus Cristo..."

1 Coríntios 10:6-11 - «Estas coisas foram figura do que nos diz respeito (se formos infiéis a Deus), para que não cobicemos coisas más, como eles cobiçaram. Não vos torneis idólatras, como alguns deles, conforme está escrito: O povo sentou-se a comer e a beber e depois levantou-se para se divertir (Ex. 32,6). Não nos entreguemos à devassidão, como alguns deles se entregaram, e morreram num dia vinte e três mil. Não tentemos o Senhor, como alguns deles o tentaram, e foram mortos pelas serpentes. Não murmureis, como alguns deles murmuraram, e foram mortos pelo (Anjo), exterminador. Ora todas estas coisas lhes aconteciam, em figura, e foram escritas para advertência de (todos) nós, para quem o fim dos séculos chegou.»

Por isso, ela acreditava e ensinava que os ensinamentos de Jesus Cristo sobre o casamento e a moralidade não tinham nenhuma importância. Ela promoveu um falso evangelho.

Na página 117, Madre Teresa menciona que em um dos seus centros há de fato uma estátua do hindu Ghandi, um homem que era pagão e idólatra. Madre Teresa diz:

Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 117:
«... temos um centro maravilhoso chamado Gandhiji Prem Nivas... No pátio interior encontra-se uma estátua de Gandhi.»

Esta é também uma imagem da Madre Teresa a venerar Gandhi, um pagão e um idólatra que rejeitou Jesus Cristo. Venerar Gandhi e ostentar uma estátua sua são atos de apostasia, sem qualquer dúvida. 

São Tomás ensinou que se alguém orasse na tumba de Maomé, seria considerado apóstata. 

São Tomás de Aquino, Summa Theologiae, Pt. II-II, Q. 12, A. 1:
«...se alguém… venerasse o túmulo de Maomé, ele seria considerado um apóstata.» [5]

As ações de Madre Teresa apenas neste ponto - para não falar de todas as suas outras declarações claramente heréticas e apóstatas - são o equivalente. 

Esta é uma fotografia de Madre Teresa a venerar Buda em 7 de outubro de 1975, durante uma cerimônia do 25º aniversário da sua ordem.

Estas «celebrações» do jubileu de prata ou 25º aniversário da sua ordem prolongaram-se durante um mês. Entre elas, contavam-se as seguintes:

Kathryn Spink, Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada, pp. 148-149: «Foram feitas orações com os muçulmanos, os sikhs, os parsis e os jainistas. No final de uma cerimônia realizada no templo budista, o monge chefe da Sociedade Mahabodhi presenteou a Madre Teresa com duas velas elétricas simbolizando o seu trabalho, que ele disse que arderiam para sempre... na sinagoga judaica foi concedido à Madre Teresa o privilégio singular de entrar no “Santo dos Santos”.  A Madre Teresa considerava todas as orações que eram oferecidas em todo o mundo como “a melhor dádiva de Deus”.»

Neste ponto, é interessante considerar uma citação do Concílio de Elvira, em 305.  Embora Elvira fosse apenas um concílio regional, e a declaração sobre a comunhão nesta passagem fosse apenas uma medida disciplinar, a passagem reflete a fé da Igreja Católica sobre o mal do paganismo e da idolatria.

O Concílio de Elvira, 305 d.C:
«Foi decretado que aqueles que, numa idade adulta, após terem recebido o batismo, frequentem templos pagãos para fazer culto a ídolos, que é um crime mortal do maior grau de perversão, não deverão ser admitidos para a comunhão, mesmo na morte.» [6]

Na sua carta de 1978 ao Primeiro-Ministro da Índia, Madre Teresa escreveu:

Madre Teresa, Carta ao Primeiro Ministro da Índia, 1978 (Spink, p. 155): «Vós chamais-lhe ISHWAR, alguns chamam-lhe ALLAH, outros simplesmente Deus, mas todos temos de reconhecer que foi ele que nos fez para coisas mais elevadas: amar e ser amados.»

Portanto, ela identifica o falso deus hindu Ishwar, e o falso deus dos muçulmanos, como Deus. Este fato é outra evidência de que ela não era cristã, mas uma idólatra e uma apóstata que associava o verdadeiro Deus com falsos deuses e demônios.

Kathryn Spink, Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada, pp. 239-240: «O próprio presidente [da Albânia] pediu à Madre Teresa que providenciasse a abertura de mais seis igrejas. Ela fê-lo, e foi também rápida a insistir na reabertura de uma mesquita para os muçulmanos.»

As irmãs apóstatas da ordem da Madre Teresa também varreram e limparam a mesquita para a preparar para o falso culto dos muçulmanos.

O Papa Eugênio IV descreveu o Islão como a «abominável seita de Maomé». O Papa Calisto III referiu-se a ela como a «seita diabólica do réprobo e infiel Maomé».

Papa Eugênio IV, 1434:
«... há esperança de que muitos da abominável seita de Maomé, irão converter-se à fé católica.»

Papa Calisto III, 1455:
«... a seita diabólica do réprobo e infiel Maomé [Islão]...»

Papa Clemente V, Concílio de Vienne, 1311-1312:
«É um insulto ao nome santo e uma desgraça para a fé cristã que em certas partes do mundo, sob o governo de príncipes cristãos, em que vivem os sarracenos [isto é, os seguidores do islão, também chamados muçulmanos],... os sacerdotes sarracenosem seus templos ou mesquitas, onde os sarracenos se reúnem para adorar o infiel Maomé, com veemência invoquem e exaltem o seu nome a cada dia e em determinadas horas do alto de um lugar… Isto traz descrédito à nossa fé e causa grande escândalo aos fiéis. Estas práticas não podem ser toleradas sem que desagrademos à Majestade Divina. Portanto, com a aprovação do sagrado Concílio, Nós proibimos estritamente a partir de agora essas práticas em terras cristãs. Ordernamos aos príncipes católicos, a todos e a cada um… Eles devem proibir expressamente a invocação pública do sacrílego nome de Maomé

Papa Pio II, Discurso, 26 de setembro de 1459:
«Na cidade real do Oriente, mataram o sucessor de Constantino e o seu povo, profanaram os templos do Senhor, contaminaram a nobre igreja de Justiniano com as suas abominações maometanas... Cada sucesso [do sultão islâmico] será apenas um avanço para o próximo, até que ele tenha dominado todos os monarcas ocidentais, derrubado a fé cristã e imposto a lei do seu falso profeta em todo o mundo.»

O livro Um Caminho Simples revela também que em Calcutá, no lar das Missionárias da Caridade para a TB [Tuberculose]: Há uma estátua em tamanho real de Maria que tem «um rosto indiano, veste uma túnica indiana e tem a seus pés uma enorme flor de lótus cor-de-rosa».[7]

A flor de lótus é um símbolo importante nas religiões pagãs do Budismo e do Hinduísmo. Portanto, a ordem da Madre Teresa, as «Missionárias da Caridade», incorpora um símbolo religioso do paganismo.  Isso é demoníaco. O uso que fazem deste símbolo é uma expressão da idolatria que aprenderam com a apóstata Madre Teresa e a Seita do Vaticano II, a contra-igreja do fim dos tempos (isto é, a prostituta da Babilônia).

Madre Teresa também enviava por vezes as suas irmãs para um retiro na casa deste homem, Bede Griffiths, um monge «beneditino» apóstata que basicamente tentava amalgamar o cristianismo e o hinduísmo. Griffiths até usava as «escrituras» hindus como parte do seu chamado culto. 

Kathryn Spink, Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada, p. 153:
«Num ashram no sul da Índia, nas margens do sagrado rio Cauvery, Dom Bede Griffiths, um monge beneditino inglês, tinha adotado a vida de um sannyasi... Madre Teresa enviava por vezes as suas irmãs para lá fazerem breves retiros

Na página 55 de Um Caminho Simples, Madre Teresa diz:

Madre Teresa, A Simple Path, p. 55:
«Os nascituros estão entre os mais pobres dos pobres. Eles estão tão perto de Deus.»

Esta afirmação contradiz o dogma definido pelo Concílio de Florença, segundo o qual, enquanto não forem batizadas, as crianças não estão perto de Deus, mas sob o domínio do Demônio, em consequência do pecado original. É um dogma definido que as crianças e outras pessoas não podem ser salvas sem o batismo na água. Mas uma herege como Madre Teresa não acreditava nisso.

Papa Santo Inocêncio, 414 d.C.: «Mas aquilo que afirma a sua fraternidade os pelagianos pregam, isto é, que mesmo sem a graça do Batismo, as crianças podem ser dotadas das recompensas da vida eterna; o que é bastante estúpido

Santo Agostinho, Carta a Jerônimo, 415 d.C: «Quem quer que dissesse que inclusive as crianças que passam desta vida sem a participação no Sacramento [do Batismo] serão vivificadas em Cristo, iria verdadeiramente contra a pregação do Apóstolo e condenaria toda a Igreja…»

Papa S. Zósimo, Concílio de Cartago, Cânone sobre o pecado e a graça, 417 d.C.: «Foi de igual maneira estipulado que se alguém disser que por esta razão o Senhor disse: ‘Na casa de meu Pai há muitas moradas’ (João 14:2), para que se pudesse entender que no reino dos céus haverá algum lugar intermédio ou qualquer outro lugar onde vivem as crianças benditas que partiram desta vida sem o batismo, sem o qual não podem entrar no reino dos céus, que é a vida eterna, seja anátema.»

Papa Eugênio IV, Concílio de Florença, Sessão 11, 4 de Fevereiro de 1441: «A respeito das crianças, uma vez que a presença do perigo de morte é usual e o único remédio disponível para elas é o sacramento do Batismo, pelo qual elas são arrebatadas do domínio do Diabo [pelo pecado original] e adotadas como filhos de Deus…»

Papa Paulo III, Concílio de Trento, do pecado original, Sessão 5: «Se alguém disser que os meninos recém-nascidos dos ventres maternos se não devem batizar, ainda que sejam nascidos de pais batizados; ou diz, que [de fato] se batizam para remissão dos pecados, [mas] que nada há neles de pecado original, que participem de Adão, que seja necessário purificar-se como o lavatório da regeneração, para conseguirem a vida eterna, seguindo-se daqui, que a forma a respeito deles [do Batismo para a remissão dos pecados], não tem sentido verdadeiro, mas falso: seja anátema.»

Na mesma página, Madre Teresa diz:

Madre Teresa, A Simple Path, p. 55:
«Em muitos centros do mundo, ensinamos métodos naturais de planeamento familiar aos pobres.»

Madre Teresa até se vangloriava do número de crianças que impediu de nascer através do Planeamento Familiar Natural. Isso é maligno. Como mostra o nosso vídeo, PFN: a mentira do controle da natalidade, o Planeamento Familiar Natural é uma prática pecaminosa de controle da natalidade que é contrária ao ensino católico sobre o objetivo primário do ato conjugal. 

Papa Pio XI, Casti Connubii (#17, 54 e 59), 31 de Dezembro de 1930:

«O fim primário do matrimônio é a procriação e educação da prole.»

«… estando destinado o ato conjugal, por sua mesma natureza, à geração dos filhos, os que no exercício do mesmo o frustram deliberadamente do seu poder e propósito naturais, obram contra a natureza e cometem uma ação torpe e instrinsicamente desonesta.»

«Há, pois, tanto no matrimônio como no uso do direito matrimonial, fins secundários… que de maneira alguma está interdita aos esposos, DESDE QUE SE MANTENHA ORDENADO AO FIM PRIMÁRIO...»

Não é permitido aos católicos - apesar de a seita do Vaticano II, a contra-igreja do fim dos tempos, o apoiar, como é óbvio, e de a prática pecaminosa do controle da natalidade, o PFN, ter sido promovida em fontes falíveis, mesmo nos anos anteriores ao Vaticano II, durante o crescente modernismo do século XX.

Nas páginas 8 e 59, Madre Teresa ensina a falsa doutrina de que Deus é o Pai de todos os homens e que todos são filhos de Deus, incluindo os pagãos.

Madre Teresa, A Simple Path, pp. 8, 59:
«Ele é pai de todos nós, seja qual for a nossa religião. Todos nós fomos criados por Deus, somos seus filhos.»

«Deus não está separado da Igreja, porque Ele está em tudo e em todo o lado, e nós, quer sejamos hindus, muçulmanos ou cristãos, somos seus filhos.»

Isto é uma heresia. Só se torna filho de Deus através de Jesus Cristo e da Sua única e verdadeira fé.  E essa entrada na fé, pela qual nos tornamos filhos de Deus, acontece no Batismo. 

Colossenses 2:12-13 - «Tendo sido sepultados (para o pecado) com ele no batismo, com ele também ressuscitastes (para a vida da graça) mediante a fé [διὰ τῆς πίστεως] na ação de Deus, que o ressuscitou dos mortos. A vós, que estáveis mortos pelos vossos pecados e pela incircuncisão (ou desordem) da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando-nos todos os nossos pecados.»

Gálatas 3:26-27 - «... porque todos vós sois filhos de Deus pela fé [διὰ τῆς πίστεως] em Jesus Cristo, pois todos os que fostes batizados em Cristo, revestistes-vos de Cristo.»

Efésios 2:8-9 - «Porque pela graça fostes salvos, mediante a fé [διὰ τῆς πίστεως], e isto não (vem) de vós, porque é um dom de Deus; não (vem) das (vossas) obras (praticadas sem a sua graça), para que ninguém se glorie.»

Eis algumas citações que refutam a heresia de Madre Teresa.

1 João 2:23 -  «Todo aquele que nega o Filho, também não possui o Pai...»

João 1:12 - «Mas a todos os que o receberam, deu poder de se tornarem filhos de Deus, àqueles que crêem no seu nome.»

 Papa Leão XII, Ubi Primum (# 22), 5 de maio de 1824:
«O que vos ouve, a mim ouve, o que vos rejeita, a mim rejeita; e a Igreja é a coluna e o firmamento da verdade, como ensina o apóstolo Paulo. Com referência a estas palavras, Santo Agostinho diz: “Quem estiver sem a Igreja não será contado entre os filhos, e quem não quiser ter a Igreja como mãe não terá Deus como pai.”» [8]

Papa Leão XII Ubi Primum (nº 14), 5 de Maio de 1824:  
«É impossível ao autêntico Deus, o qual é a própria Verdade, o melhor e mais sábio Provedor, e o Recompensador dos homens bons, aprovar todas as seitas que professam falsos ensinamentos que são frequentemente inconsistentes uns com os outros e contraditórios, e conferir recompensa eterna aos seus membros… Por fé divina nós professamos um Senhor, uma fé, um batismo, e que nenhum outro nome sob os céus foi dado ao homem além do nome de Jesus Cristo no qual nos podemos salvar. É por isso que professamos que não há salvação fora da Igreja.»

Como podemos ver, Madre Teresa era uma herege notória que rejeitava descaradamente o dogma católico sobre a necessidade de Jesus Cristo e da fé católica para a salvação, e negava o ensinamento da Igreja sobre o mal das outras religiões. Aliás, era uma apóstata épica e promotora de um indiferentismo religioso da pior espécie. Ela defendia que não havia qualquer necessidade de acreditar em Jesus Cristo e de rejeitar as falsas religiões.  De fato, no seu livro, quando recomendava ou mencionava certas orações católicas/cristãs, também mencionava que as pessoas podem usar orações não-cristãs se não acreditarem no cristianismo. 

Por exemplo, na página 35, a épica apóstata Madre Teresa encoraja as pessoas a retirarem o nome de Jesus das orações se não acreditarem n'Ele.

Madre Teresa, A Simple Path, p. 35:
«As orações que se seguem são as que dizemos todos os dias no nosso livro de orações… Se não fores cristão, podes substituir ‘Jesus’ por ‘Deus’.»

Madre Teresa defende que se pode ir a Deus sem Jesus Cristo. Isso é anticristo.

1 João 4:3 - «...todo o espírito que não confessa Jesus, não é de Deus, mas é um Anticristo...»

1 João 5:12 -  «... aquele que não tem o Filho de Deus, não tem a vida.»

João 3:36 -  «… o que, porém, não crê no Filho, não verá a vida, mas sobre ele pesa a ira de Deus.»

João 8:24 -  «...sim, se não crerdes em quem eu sou, morrereis no vosso pecado.»

João 14:6 - «Jesus disse-lhe: ‘Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vai ao Pai senão por mim.»

Mateus 18:17 - «Se os não ouvir, dize-o à Igreja, Se não ouvir a Igreja, considera-o como um gentio e um publicano.»

Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada também cita Madre Teresa como tendo dito:

Kathryn Spink, Mother Teresa – An Authorized Biography, p. 253:
«Nunca tentamos converter ao cristianismo aqueles que ajudamos...» 

Rejeitar um só dogma é um pecado mortal. Resulta na expulsão automática da Igreja de Cristo e na perda de toda a fé divina.

 Papa Leão XIII, Satis Cognitum (nº 9), 29 de junho de 1896:
«Ninguém que simplesmente não creia em nenhuma (destas heresias) pode por este motivo considerar a si próprio como ou chamar a si próprio de católico. Pois podem existir ou aparecer outras heresias que não estão discriminadas nesta nossa obra, e, se alguém mantém uma que seja destas heresias não é um católico

Papa Leão XIII, Satis Cognitum (nº 9), 29 de junho de 1896:
«... poderá ser lícito a alguém rejeitar uma dessas verdades sem, por esse mesmo fato, precipitar-se claramente em heresia? - sem separar-se da Igreja? - sem repudiar em conjunto toda a doutrina cristã? Pelo contrário, quem num só ponto diverge das verdades divinamente reveladas, abdica de forma absoluta de toda a fé, pois recusa submeter-se a Deus como soberana verdade e motivo formal da fé.»

Infelizmente, como estes fatos provam incontestavelmente, Madre Teresa não era uma verdadeira fiel, mas uma incrédula demoníaca.  Gostaríamos que ela tivesse sido diferente, mas foi o que ela foi. Gostaríamos que ela tivesse sido diferente, mas foi isso o que ela foi.  Ela foi uma apóstata de Jesus Cristo e do catolicismo. Tratava-se de uma mulher demoníaca e uma das maiores falsas profetas da seita do Vaticano II, a contra-Igreja do fim dos tempos. 

1 Pedro 5:13 - «A igreja de Babilônia, escolhida (por Deus) como vós, saúda-vos...»

Apocalipse 18:2 - «... “Caiu, caiu Babilônia, a grande! Tornou-se habitação de demônios, prisão de todo o espírito imundo, prisão de toda a ave impura, e prisão de toda a besta impura e abominável.”»

De fato, com o seu indiferentismo religioso e o seu apoio à idolatria, ela serviu como um símbolo adequado de falsa santidade para uma contra-igreja cujo falso ecumenismo e indiferentismo religioso são as marcas da sua apostasia. Ela era amada pelo mundo e pelos incrédulos de todo o mundo, precisamente porque era uma falsa profeta.

Kathryn Spink, Mother Teresa – An Authorized Biography, p. 158:
«Alguns, mais habituados à mentalidade hindu, optaram por vê-la como a “reencarnação de Jesus”, enquanto os muçulmanos a saudaram como um “espírito evoluído” e pessoas de todas as crenças e denominações religiosas se prepararam para a reconhecer como uma “pessoa santa”. Nas palavras do Presidente indiano Giri, Madre Teresa estava ‘entre os espíritos emancipados que transcenderam as barreiras da raça, religião, credo e nação’».

Lucas 6:26 - «Ai de vós, quando todos os homens vos louvarem! Porque assim faziam aos falsos profetas os pais deles.»

João 15:18-19 - «Se o mundo vos aborrece, sabei que, primeiro do que a vós, me aborreceu a mim. Se fosseis do mundo, o mundo amaria o que era seu; mas, porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi do meio do mundo, por isso o mundo vos aborrece.»

É impossível que alguém que acredita no que Madre Teresa fez seja santo.  É certo que ela era perversa, profana e estava em estado de pecado mortal. 

Sim, ela alimentou os corpos das pessoas, mas privou as suas almas e a sua própria, daquilo que é mais importante e necessário, a verdadeira fé e o conhecimento necessário para a salvação.  Dessa forma, ela não era a verdadeira amiga do povo, e sim a sua inimiga, pois confirmou multidões no caminho da condenação eterna através do seu falso evangelho de indiferentismo religioso e respeito pelas falsas religiões. As obras naturais sem a verdadeira fé não são proveitosas para a salvação.

Papa Pio XI, Mortalium Animos (#9), 6 de janeiro de 1928:
«... a caridade é baseada na fé íntegra e sincera…»

Papa Pio X, Editae Saepe # 28, 26 de maio de 1910:
«De onde segue que os atos provenientes somente da honestidade natural, não são senão simulacros de virtude; não são em si mesmos duradouros, nem suficientes para a salvação.»

Papa São Pio X, Editae Saepe (#21), 26 de maio de 1910:
«O primeiro e mais importante dever dos pastores é guardar tudo o que diz respeito à manutenção integral e inviolável da Fé Católica, a fé que a Santa Igreja Romana professa e ensina, sem a qual é impossível agradar a Deus.»

A respeito das salas em que realizaria o seu trabalho, Madre Teresa disse:

Kathryn Spink, Madre Teresa - Uma Biografia Autorizada, p. 54:
«Trata-se de um templo hindu muito famoso, onde as pessoas constumavam ir para fazer as suas devoções e descansar, por isso pensei que seria o melhor local para o nosso povo descansar antes de ir para o céu. Por isso, aceitei imediatamente.»

A afirmação é que ela acreditava que todos iriam para o céu, incluindo os hindus, etc.

Na página 74 de Um Caminho Simples, Madre Teresa manifesta a sua crença na heresia de que todos os homens vão para o céu. Ela afirma:

Madre Teresa, A Simple Path, p. 74:
«Quando morremos, reunimo-nos com Deus e com todos aqueles que conhecemos e que nos precederam: a nossa família e os nossos amigos estarão à nossa espera. O céu deve ser um lugar belíssimo.»

Lá se vai o ensinamento de que o inferno existe e que as pessoas vão para lá! Ao contrário da heresia de Madre Teresa, a verdade é que a maioria das pessoas vai para o Inferno. As pessoas que morrem fora da verdadeira fé ou em pecado mortal não serão salvas. Como Jesus Cristo ensinou, poucos são os que se salvam.

Papa São Gregório III (739 d.C.):
«... está escrito que pequena é a porta e estreito o caminho que conduz à vida.»

Papa São Gregório Magno (600 d.C.):
«Quanto mais abundam os maus, tanto mais temos de sofrer com eles em paciência; porque na eira poucos são os grãos levados para os celeiros, mas númerosos são os montes de palha queimados pelo fogo.»

William Thomas Walsh, Nossa Senhora de Fátima, p. 94:
«… Lúcia achou-a [Jacinta] certa vez sozinha, quieta e muito pensativa, olhando vagamente. ‘Em que estás pensando, Jacinta? ‘Na guerra que vem vindo. Quanta gente vai morrer! Quase todos irão para o Inferno.»

Mateus 7:13-14 - «Entrai pela porta estreita, porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela. Que estreita é a porta, e que apertado o caminho que conduz à vida, e quão poucos são os que dão com ele!»

Alguns poderão perguntar: como é que é possível uma mulher como ela seja «canonizada»? A resposta é que ela não foi canonizada pela Igreja Católica e por um papa válido.  Não, ela foi «canonizada» pelo Antipapa Francisco e pela Seita do Vaticano II, que é a falsa igreja do fim dos tempos, como explica o nosso material. Toda esta situação foi profetizada. Sobre este assunto, veja o nosso vídeo, «Caiu, caiu Babilônia», entre outras coisas.

Também deve ser enfatizado que ao «canonizar» a apóstata Madre Teresa, o herege Antipapa Francisco usou a fórmula solene de canonização que é basicamente, palavra por palavra, idêntica à fórmula usada antes do Vaticano II. Uma tradução portuguesa da fórmula latina que ele usou seria:

O antipapa Francisco «canoniza» solenemente a Madre Teresa:
«Em honra da Santa Trindade, para a exaltação da fé católica e o crescimento da vida cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos Bem-aventurados Apóstolos Pedro e Paulo, e da Nossa, após prolongada reflexão, tendo invocado assiduamente a assistência de Deus e levado em consideração a opinião de muitos de nossos irmãos no episcopado, nós declaramos e definimos a Beata Teresa de Calcutá como sendo uma Santa, e nós a inscrevemos no Catálogo dos Santos, e nós estabelecemos que ela deve ser honrada devotamente como uma Santa em toda a Igreja. Em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo.»[9]

Esta fórmula é, obviamente, solene. É basicamente idêntica à usada pelos papas válidos antes do Vaticano II. Quando pronunciada por um papa verdadeiro, é infalível. 

Uma vez que Madre Teresa não foi de modo algum uma santa, mas uma herege notória e uma apóstata, o uso desta fórmula para a sua «canonização» constitui uma prova mais absoluta e infalível de que Francisco não é um verdadeiro papa, mas um antipapa. 

São Roberto Belarmino, De Romano Pontifice, II, 30:
«Um papa que é manifestamente um herege automaticamente deixa de ser Papa e cabeça, tal como ele deixa automaticamente de ser cristão e um membro da Igreja. Por conseguinte, ele pode ser julgado e punido pela Igreja.  Este é o ensinamento de todos os Padres da antiguidade que ensinam que hereges manifestos perdem automaticamente toda a jurisdição.»

São Roberto Belarmino: «Este princípio é muito certo. O não-cristão não pode de modo algum ser papa, como o próprio Cajetan admite (lib. c. 26).  A razão para isso é que ele não pode ser chefe daquilo de que não é membro; ora, quem não é cristão não é membro da Igreja, e um herege manifesto não é cristão, como é claramente ensinado por São Cipriano (lib. 4, epist. 2), Santo Atanásio (ser. 2 cont. Arian.), Santo Agostinho (lib. de grat. Christ. cap. 20), São Jerônimo (contra Lucifer.) e outros; portanto, o herege manifesto não pode ser papa

São Francisco de Sales (século XVII), Doutor da Igreja:
«Agora, quando ele [o Papa] é explicitamente um herege, ele cai ipso facto da sua dignidade e para fora da Igreja...»

Santo Antonino (1459):
«No caso de o Papa ter se tornado um herege, ele encontrar-se-ia, por esse fato isolado e sem nenhuma outra sentença, separado da Igreja. Uma cabeça separada de um corpo não pode, enquanto se mantenha separada, ser cabeça do mesmo corpo do qual foi cortada. Portanto, um papa que se separe da Igreja por heresia, por esse mesmo fato, deixaria de ser a cabeça da Igreja. Ele não poderia ser um herege e continuar como Papa, porque, uma vez que está fora da Igreja, não pode possuir as chaves da Igreja

Como diz a fórmula, todos que aceitam o antipapa Francisco como papa devem venerar Madre Teresa como santa - uma mulher que é uma apóstata não-cristã! E sobre este ponto não se deixe enganar por certos falsos tradicionalistas heréticos, que afirmam que a Seita do Vaticano II tem papas válidos, mas canonizações inválidas, porque o processo que precede a declaração de canonização foi ligeiramente modificado no período pós-Vaticano II.  Esse argumento é totalmente falacioso.

Como sabem aqueles que realmente acreditam na doutrina católica e na infalibilidade papal, o processo que precede uma canonização não tem qualquer influência na infalibilidade da declaração solene em si.  Deus protege o ato solene de um verdadeiro Papa nesta matéria.  Mesmo que o processo que precede a declaração fosse drasticamente alterado ou abolido por completo, não faria qualquer diferença.

Quando um verdadeiro papa pronuncia a fórmula solene, independentemente do estudo ou investigação que a precedeu, está protegido por Deus de fazer uma declaração falsa. Isso é a infalibilidade papal. Esse é o seu significado e as suas garantias. Muitos falsos tradicionalistas, como a Sociedade de São Pio X e grupos semelhantes, rejeitam isto porque não acreditam de fato no papado e na infalibilidade papal. Portanto, não há maneira de dizer que Francisco é um verdadeiro papa e simultaneamente rejeitar as suas solenes «canonizações» sem negar os ensinamentos e princípios católicos. 

Prospero Lambertini, posteriormente Papa Bento XIV (1740-58 d.C.), Sobre a Beatificação e a Canonização:
«Se alguém ousar afirmar que o Pontífice errou nesta ou naquela canonização, diremos que ele é, se não herege, pelo menos temerário, causador de escândalo a toda a Igreja, insultador dos santos, favorecedor dos hereges que negam a autoridade da Igreja na canonização dos santos, sugerindo a heresia ao dar aos incrédulos uma ocasião de zombar dos fiéis, afirmador de uma opinião errônea e passível de penas gravíssimas.»

Santo Afonso de Ligório, A Oração, 1759:
«Supor que neste ponto [canonização] a Igreja é falível seria incidir em culpa ou em heresia, como dizem São Boaventura, Belarmino e outros, ou ao menos, está próximo de heresia, segundo Suarez, Azor, Gotti e outros. Porque o Sumo Pontífice, como diz Santo Tomás, no canonizar os santos, é de modo particular guiado pela inspiração infalível do Espírito Santo.»

Uma vez que o ato solene de «canonização» do antipapa Francisco não foi obviamente protegido contra erros, isso prova que ele não é um verdadeiro papa.  É claro que todos os atos de Francisco são inválidos porque ele é um antipapa notoriamente herético. A falsa canonização da mulher demoníaca e apóstata épica Madre Teresa é outro sinal da tomada apocalíptica da cidade de Roma durante a Grande Apostasia. 

Está a fazer com que milhões de pessoas que se dizem católicas acreditem que o indiferentismo religioso - na verdade, um endosso ao paganismo e à idolatria - conduz ao Céu e à santidade, quando na verdade conduz à condenação. Note-se também que este ato de apostasia teve lugar na Basílica de S. Pedro. Foi transmitido e projetado para o mundo a partir desse local.  Isto porque a Basílica de S. Pedro é o templo de Deus que foi tomado na apostasia final, de acordo com a profecia, como o explica o nosso material. 

Além disso, mesmo que, por uma questão de argumentação, se ignorassem os princípios da infalibilidade papal ao considerar o significado da «canonização» da Madre Teresa, o ato continuaria a provar, por si só, que a seita do Vaticano II não é a Igreja Católica, mas sim um grupo de incrédulos, hereges e apóstatas. Isso porque, como já mostramos, Madre Teresa não era cristã. A mulher era uma espécie de híbrido pagão não-cristão que afirmava aceitar elementos do cristianismo - mas definitivamente não era cristã. Qualquer grupo que, depois de examinar a sua vida, considere que essa não-cristã foi salva, quando ela não deu provas de conversão à verdadeira fé - e muito menos a considera uma «santa» - é uma falsa Igreja. É um grupo de incrédulos. Não é a Igreja Católica, que é a única Igreja verdadeira e não de hereges.

Papa Inocêncio III, Eius exemplo, 18 de dezembro de 1208:
«Também cremos com coração e com a boca confessamos uma só Igreja, não de hereges, mas a Santa, Romana, Católica e Apostólica, fora da qual nós cremos que ninguém se salva.»

Aqueles que aceitam a não-cristã e notória apóstata Madre Teresa como santa, perante os fatos, são hereges; e, como vimos, rejeitar a sua falsa «canonização», como é preciso, requer necessariamente o reconhecimento da verdade de que o seu companheiro apóstata Francisco é um antipapa não-católico e que a Seita do Vaticano II não é a Igreja Católica.

 Papa Paulo IV, Bula Cum ex Apostolatus Officio, 15 de fevereiro de 1559:
«... que se em dada altura, acontecesse que um bispo, inclusive em função de arcebispo, ou de patriarca, ou primata; ou um cardeal, como já foi mencionado, qualquer legado, ou até mesmo o Pontífice Romano que antes da sua promoção a cardeal ou ascensão ao pontificado, houvesse se desviado da fé católica, ou caído em heresia: (i) a promoção ou ascensão, mesmo se esta tivesse ocorrido com o acordo unânime de todos os cardeais, é nula, inválida e sem efeito...»

The Catholic Encyclopedia, «Eleições Papais», 1914, Vol. 11, p. 456:
«Como é óbvio, a eleição de um herege, de um cismático, ou de uma mulher [ao papado] seria nula e inválida

A seita do Vaticano II é, de fato, a contra-igreja profetizada do fim dos tempos, e as profecias apocalípticas sobre ela têm-se cumprido mesmo diante dos nossos olhos, como mostra o nosso material.

Apocalipse 18:2 - «“Caiu, caiu Babilónia, a grande! Tornou-se habitação de demónios, prisão de todo o espírito imundo e prisão de toda a ave imunda, e prisão de toda besta imunda e abominável.”»

Neste sentido, é revelador considerar os comentários de uma falsa organização tradicionalista chamada 'The Remnant' sobre este assunto. Depois da «canonização» de Madre Teresa, embora assinalando o seu «modernismo», The Remnant descreveu-a,no entanto, como «santificada», «santa» e «corajosa». Isso é demoníaco. As pessoas que defendem essa posição perante os fatos, como eles fazem, são incrédulos perversos e infiéis. A mesma falsa organização tradicionalista publicou um clip de áudio de um suposto padre herético que eles promovem.  Ele expressou a sua «admiração» por Madre Teresa e até descreveu a apóstata não-cristã como uma «santa».

Clipe áudio publicado pelo The Remnant:

«A Igreja canonizou Madre Teresa, Madre Teresa de Calcutá. Devo admitir um sentimento de certa afeição por ela e, em muitos aspectos, uma admiração por ela... e assim, na manhã seguinte, celebrei uma missa pelas suas irmãs de caridade, mas a Madre Teresa não estava presente. Ainda assim, fiquei impressionado com a sua piedade, a sua devoção... Há muito de louvável e admirável em Madre Teresa... e isto não é uma crítica a uma santa...»

Eles não são de Deus, mas do Demônio. Não são católicos, mas hereges. Rejeitam a fé católica. São falsos mestres que conduzem as pessoas à heresia e ao inferno, entre outras coisas, mantendo-as na contra-igreja. Eles conduzem as pessoas a acreditar que podem ser «tradicionais» ou «conservadoras» na Seita do Vaticano II, quando não é esse o caso. Estes sentimentos revelam também que os obstinados seguidores da contra-igreja do Vaticano II, incluindo os chamados tradicionalistas, continuam a reconhecer os antipapas apóstatas perante os fatos, precisamente porque não têm fé. Eles não crêem em Jesus Cristo. Não são fiéis à doutrina católica, não rejeitam as heresias e os hereges. 

Recebemos um e-mail de uma mulher que nos informou que dois padres da herética CMRI lhe disseram para rezar pelo repouso da alma de Madre Teresa, como se uma apóstata notória e não-cristã como Madre Teresa pudesse ter sido salva sem conversão à verdadeira fé. Isso é diabólico. É mais um exemplo bem visível da infidelidade e da heresia dos falsos grupos tradicionalistas como o CMRI, que negam o ensinamento dogmático da Igreja sobre a necessidade da fé católica e do Batismo para a salvação. 

Outros falsos tradicionalistas tentam escapar a estas conclusões afirmando que uma canonização significa simplesmente que uma pessoa está salva ou no Céu, mas não é uma aprovação da vida da pessoa - como se fosse aceitável acreditar que a apóstata Madre Teresa está no Céu.  Este argumento é, no entanto, totalmente falso. Como ensinou o Papa Pio XI, os santos serão sempre «modelos para todas as classes e profissões, para todos os estados e condições de vida».

Papa Pio XI, Divini Illius Magistri (#67), 31 de dezembro de 1929:
«De fato, os Santos foram, são e serão sempre os maiores benfeitores da sociedade humana, como também os modelos mais perfeitos em todas as classes e profissões, em todos os estados e condições de vida, desde o camponês simples e rude até ao sábio e letrado, desde o humilde artista até ao general do exército, desde o particular pai de família até ao monarca, chefe de povos e nações, desde as simples donzelas e esposas do lar domestico até às rainhas e imperatrizes.»

Uma canonização não significa apenas que a pessoa está salva, mas que foi um modelo de fé e de vida correta durante a sua vida como católico. Se a pessoa se converteu tarde na vida, foi um modelo de fé e uma forma correta de viver durante o período que se seguiu à conversão. Uma vez que Madre Teresa foi «canonizada» pela sua vida e trabalho como religiosa, a sua «canonização» foi uma declaração solene da seita do Vaticano II de que o que ela demonstrou e acreditou durante a sua carreira com as «Missionárias da Caridade» é um modelo de fé e moral que pode ser seguido para alcançar a santidade e a salvação - quando, na verdade, era um exemplo de heresia demoníaca, indiferentismo e apostasia. 

Portanto, não há maneira de os defensores dos antipapas do Vaticano II escaparem ao significado da «canonização» de uma notória herege e apóstata demoníaca como Madre Teresa. Tal ato prova certamente que a seita do Vaticano II não é a Igreja Católica e que Francisco é um antipapa - embora esse fato já tenha sido provado inúmeras vezes.

Uma vez que Madre Teresa não deu provas no foro externo de ter abandonado a sua apostasia e de se ter convertido à fé católica, não só não pode ser considerada uma santa, como também ninguém pode afirmar que Madre Teresa está no Céu ou sequer rezar por ela. Ela deve ser considerada como tendo morrido como incrédula e fora da Igreja Católica, que é o que ela foi durante a sua vida.

Papa São Gregório Magno, Moralia, Livro 34:
«A mesma razão, portanto, aplica-se para não se rogar por homens condenados ao fogo eterno, do que a que agora se aplica para não se rogar pelo demônio e os seus anjos, os quais foram consignados à punição eterna. E é por este motivo que agora homens santos não rezam por homens infiéis e ímpios que estão mortos; pois não querem eles que o mérito das suas orações seja reservado, na presença daquele Justo Juiz, para aqueles cuja consignação à punição eterna é por eles conhecida de antemão.»

São Tomás de Aquino, Summa Theologiae, Suppl. Q. 71, A. 5:
«Gregório diz (Moralia xxxiv): «A mesma razão que se aplica, portanto, para não se rogar (isto é, depois do julgamento final) por homens condenados ao fogo eterno, aplica-se também para não se rogar pelo demônio e os seus anjos que foram condenados à punição eterna, e, por este motivo, os santos não rogam pelos defuntos infiéis ou ímpios, por que, certamente, sabendo de antemão que estes já estavam condenados à punição eterna, poupam-se de rogar por eles pelos méritos das suas orações…»

Veja o nosso material para mais informações sobre como o que está a acontecer agora em Roma foi profetizado. A seita do Vaticano II não é a Igreja Católica, mas a contra-igreja profetizada do fim dos tempos. Veja como o cumprimento destas profecias em Roma prova que a Igreja Católica é a única e verdadeira Igreja de Jesus Cristo, fora da qual não há salvação.

Notas:

[1] http://www.motherteresa.org/08_info/2015-Coversion.html

[2] http://www.motherteresa.org/08_info/2015-Coversion.html

[3 Madre Teresa, A Simple Path, 1995, p. 31.

[4] http://www.motherteresa.org/08_info/2015-Coversion.html

[5] S. Tomás de Aquino, Summa Theologiae, Pt. II-II, Q. 12, A. 1.

[6] Citado por Amleto Giovanni Cicognani, Canon Law, Philadelphia, PA: The Dolphin Press, 1935, p. 177

[7] Madre Teresa, A Simple Path, 1995, Introdução.

[8] The Papal Encyclicals, Vol. 1 (1740-1878), p. 202.

[9] Espanhol: http://es.radiovaticana.va/news/2016/09/04/el_papa_francisco_canoniz%C3%B3_a_la_madre_teresa_de_calcuta_/1255717

SHOW MORE



27:34
A Bíblia previu 70 anos sem um Papa?
1 ano há
11:42
Viganò diz que Francisco é um «Papa não-católico» (Análise)
2 anos há
2:32:02
O Terceiro Segredo de Fátima – Documentário (HD)
10 anos há
26:04
O Vaticano II é uma nova religião (Prova visual)
2 anos há
3:36
Francisco diz «sim» às «bênçãos» para pessoas do mesmo sexo em resposta aos «cardeais»
8 meses há
01:54
Padre Pio por volta de 1960: Satanás em breve virá governar uma falsa Igreja
7 anos há
3:16
Francisco contradiz Deus e São Pio V sobre leis de homossexualidade
1 ano há
8:40
Por que muitos não conseguem crer
3 anos há
03:50
A taça de Apocalipse 16:10 foi derramada
7 anos há
36:49
Por que a Nova Missa e o Novo Rito de Ordenação são inválidos
3 anos há
22:58
Não há missa em latim ou orações para não-católicos falecidos – ensinamento papal
10 meses há
6:12
Francisco participa de oração a espíritos malignos
2 anos há
32:13
Faustina e a Divina Misericórdia – um engano
8 meses há
17:24
Isto explica a confusão e a crise pós-Vaticano II
4 anos há